i

i

ABC/SP

Festa Junina: um presente de Portugal para o Brasil

Há 198 anos, em 1822, o Brasil se tornava independente. Foi no dia 7 de setembro que Dom Pedro deu o Grito do Ipiranga: Independência ou morte! 

Esse foi o processo histórico que separou Brasil de Portugal, deixando de ser uma colônia portuguesa e passando a ser uma nação independente. Desde a colonização em 1500 o país se transformou culturalmente, são várias as influências, como explica a historiadora, Thais Biscuola: “Podemos dizer que a maior herança de Portugal é a língua portuguesa, assim como a religião católica. Uma das influências que usufruímos até hoje e muita gente não sabe são as Festas Juninas e o Carnaval”. 

Antigamente a festa junina possuía uma conotação estritamente religiosa e era conhecida como festa joanina, em referência a São João, mas ao longo dos anos teve o nome alterado para fazer referência ao mês no qual ocorre, ou seja, junho.

Com a colonização portuguesa, herdamos também muito da culinária, pratos típicos como a feijoada, é uma adaptação dos cozidos portugueses. A técnica de enfermagem Katia Ventura, de 51 anos que é casada com um português há 8 anos, explica as semelhanças e diferenças que começa na primeira refeição do dia, por exemplo: “No café da manhã eles falam pequeno almoço, e se ele precisar comer um arroz e feijão no café, ele comeria de boa”. Mas parece que a quantidade de comida que consumimos não foi herdada de Portugal, “Nós brasileiros quando fazemos um jantar, colocamos um cardápio enorme na mesa, eles não têm esse costume, é um ou dois pratos no máximo. Uma carne com legumes e é uma refeição, não é igual nós que fazemos arroz, feijão, farofa, salada…”, disse Katia.

Já as semelhanças ela brinca que homem gosta de futebol em qualquer parte do mundo e o fanatismo por time, é igual ao dos brasileiros.

O marido da Katia, o português Agostinho Manuel Ventura, micro empreendedor de 52 anos, disse que a maior diferença de uma país para o outro é a criminalidade. E, quando questionado sobre o que mais gosta no Brasil, a comida é eleita, mas acrescenta, “comer muito arroz, comer arroz todos os dias, acho que é o mais estranho, viver a base de arroz e feijão.” 

Para Manuel as semelhanças não param por aí, ele também disse que os brasileiros são simpáticos como os portugueses, mas se você gosta dos famosos pastéis de nata, fique sabendo que não são nada parecidos com os de Portugal: “Não é a mesma coisa, o de lá é ‘bastante melhor’, o daqui é muito diferente.”

Veja também

Escolha sua Região de Atendimento: